quarta-feira, 30 de março de 2016

AMIGOS E Transas na Rede

NAMOROS , AMIZADES  E EDUCAÇÃO COLORIDAS

João Joaquim  

  
Nesses tempos digitais se tem uma palavra que sofreu os efeitos da semântica se chama amigo ou a sua mãe e cognata, a amizade.

Essa mudança, para pior, do sentido de amigo e amizade de deve muito ao advento da internet,  de mídias e redes sociais. As plataformas virtuais com todas as maneiras de comunicação trouxeram outros significados a esse sentimento de afeição, estima e afinidade, e  até a muitos outros valores como o namoro, as confidências , o  casamento e outras interações conjugais, e  mesmo à educação de filhos .

O que se tem de certo é que todos esses sentimentos aqui lembrados como a amizade, namoro e casamento nos parecem  que foram banalizados e subestimados . A mim fica a sensação de que os recursos digitais da internet provocaram uma certa embriaguez nas pessoas. Pessoas essas que ganharam novos nomes, às vezes, sem maior sentido e significado. Na grande rede nós somos o que? Usuários, contatos, “amigos” (virtuais), internautas. Parecemos todos náufragos em um oceano; sem barcos, sem âncoras, sem bússola ou GPS.
 Poder-se-ia  iniciar essa discussão com algumas provocações aos grandes inventores da internet, das mídias e aplicativos virtuais e das tão massificadas redes sociais. Como chamar de amigo alguém com quem nunca tivemos um contato físico, de olho no olho, de um aperto de mão, de uma troca de sorriso, de conquista de confiança mútua, de forma  paulatina e duradoura ?

O que fica então de conclusão é que os conceitos desses sentimentos, amizade, namoro e casamento sofreram um rebaixamento de signos e significados. Numa frase e lugar-comum, não se faz mais amigo , namoro e casamento como antigamente.
Dizer ou opinar que as tecnologias da informação trouxeram mais malefícios do que benefícios seria pura toleima de quem nasceu antes desses avanços, como esse articulista. A questão central e diferencial está no uso de que se faz dessas ferramentas. A diferença está nas pessoas , ou nos usuários desses recursos.

Cada recurso digital, a começar do próprio telefone celular foi concebido com o desígnio e a concepção de facilitar a comunicação utilitária entre pessoas e empresas. Hoje, esse objetivo (original) se tornou obsoleto. Todos empregam o seu utensílio móvel, o smartphone e iphone e tablet para tudo, menos como recurso telefônico ou intercâmbio de conhecimentos . O uso massivo desses objetos se dá com as redes sociais. Há uma ansiedade de seus “usuários” pela permanente conexão. Existe um permanente alerta( bips, apelos, chamados eletrônicos )  pela conectividade, pelo estado “online” dos contatos (amigos). Todos parecemos meros imbecis que não podemos deixar nossas mídias sequer para uma almoço fraternal em família, para assistir uma reunião, para uma missa ou culto religioso ou para um passeio ou caminhada de atividade física. Vivemos uma autêntica neurose digital

Quando olhamos para os adolescentes de antes e os pós internet percebemos uma grande diferença. Diferenças no que eram os sonhos, os projetos e o idealismo da juventude que não conheciam o celular. Os jovens se falavam, se associavam, se politizavam. Eram pessoas na efervescência hormonal e de ideias. Todos tinham sonhos e utopias. O mundo  virtual parece ter entorpecido as crianças e jovens de pensar, criar, e projetar o futuro.
 Todos parecem realizados, satisfeitos e confortáveis em suas mídias. As crianças e adolescentes vem trocando os encontros lúdicos, as brincadeiras de socialização pela reclusão da Internet. O que pode trazer sérias consequências até na maturação como cidadão e interações sociais as mais diversas. 
 Mas, sendo essas as consequências predominantes da internet com suas tão apelativas e alienantes mídias e redes sociais, o que cabe aos pais, famílias, cuidadores e escolas para com as crianças, adolescentes e jovens, nesses tempos de tantas transformações ? A palavra mágica é educação, no seu sentido o mais original e abrangente.
 Basta lembrar que a educação se faz por etapas, onde cada ensinamento recurso e tecnologia se dá conforme a idade certa. Como exemplo, devemos ter como coerente e lógico ensinar primeiro os fundamentos de leitura, matemática, desenho, interpretação de um texto. E como se dá esses passos da educação? Folheando livros, rabiscando papeis, aprendendo álgebra de cabeça. Os recursos de informática terão seu lugar e sentido em ciclos mais avançados. Então fica patente que o uso abusivo, desvirtuado, massivo, de forma fútil e viciosa se dá sobretudo por uma questão de educação e maus exemplos dos próprios pais  e cuidadores;  e mesmo de escolas que oferecem os coloridos e encantadores utensílios de informática em idades muito precoces.
 Educar se dá por etapas. Há famílias e educadores que andam distraídos em apenas agradar e dar coloridas e apelativas telas mágicas aos filhos e alunos. São recursos que mais deformam do que formam a nossa juventude. Já há estudos mostrando que quando uma criança de 5 ou 6 anos vai para a escola , esta criança já tenho assistido centenas de horas de vídeos, filmes  de tudo; dos games a outros atrativos coloridos em mídias digitais e de TV . O que é pior e desalentador , sem nenhum cunho ou sentido pedagógico ou de alfabetização.
Uma pergunta que esse modesto escriba faz a pais, escolas e pedagogos. Essa criança chega na escola, será que  ela vai querer pegar em lápis, papel ou folhear livros ou desenhos escritos? Essas primícias do ato de educar exigem um pouco de trabalho, de pensar, do uso da mente , das mãos e músculos.  Em casa ela não foi educada para esse inicio de educação. Objetos de mídias, celulares, tablets exigem apenas o olhar, toques digitais, tudo mágico. Imaginem se os pequeninos querem essa troca ! Eu duvido                        Março/2016.


João Joaquim - médico - articulista DM - www.drjoaojoaquim.com     joaojoaquim@drjoaojoaquim.com


O DIABO-CHEFE....

NA POLÍTICA O DIABO É BRASILEIRO
       João Joaquim  


Todos nós brasileiros estamos assistindo, alguns aterrados, outros desesperançados ao esboroamento de algumas instituições, garantias de segurança e estabilidade a que todos têm direito num país democrático e civilizado.
Assim posto, vamos lembrar algumas dessas condições e órgãos públicos garantidores desses estados aos cidadãos.
A nossa própria garantia de saúde, de vida e integridade física. Ninguém, em nenhuma cidade desse país se sente em absoluta segurança. Todos têm medo de sair em vias públicas. Notadamente se a pessoa porta um bem. Seja um adorno ou utensílio pessoal. Trazer uma pulseira valiosa, um relógio ou celular tornou-se um chamariz para delinquentes. O medo não é ficar sem os pertences, mas ser fria e sumariamente executado por hordas de criminosos e drogaditos.
 Muitos desses brutamontes e energúmenos costumam ter outras características: são classificados como “ de menores” (de 18 anos), e se são pegos em flagrantes não são presos, mas apreendidos. São, às vezes, levados com rostos tapados para as antigas febems (hoje casas); são proibidos ou melhor protegidos de dar entrevista; e com no máximo 3 anos são fichas-limpas. São bandidos frios, cruéis, irrecuperáveis; e assim vivem e tocam a vida  sob o pálio do Estado e da leniência e proteção dos chamados direitos humanos ( leia Estatuto da Criança e Adolescentes- ECA e código penal).
O cidadão  e as famílias não se sentem em segurança sequer em seus domicílios. Ninguém está a salvo. Os assaltos à mão armada não têm mais hora ou local preferencial. Todos corremos risco. Armas de fogo se tornaram objetos vulgares, muitas delas clandestinas. Que significado teve o expediente do desarmamento? O Brasil não tem pena de morte! Para os criminosos, claro. Por ano são milhares de assassinatos. Execuções sumárias por motivos fúteis são noticiadas diariamente. O trânsito vive infestado de bêbados e drogados. A estatística de mortes nesse cenário lembra a guerra da Siria, são mais de 50,000 mortes por ano.
Abstraindo da segurança. Na área de saúde pública, que não deixa de ser uma forma de segurança, a da integridade do bem estar e da vida. Parece uma ironia do Estado com o segurado do SUS (direito constitucional). O paciente frente a uma doença grave, se procurar um pronto-socorro está correndo risco de vida porque a situação não permite espera nem burocracia. Imagine um indivíduo com um infarto ou vítima de acidente de trânsito. O atraso no atendimento, a falta de médico e UTI significam sentença de morte, como ocorre nos hospitais públicos.
No âmbito da educação, todos sabemos a pobreza que se tornou a educação pública brasileira. Tudo começa nos prédios que abrigam nossas escolas. Há deficiência em tudo, a começar por um currículo nacional decente (base nacional comum curricular); até equipamentos, professores e merenda escolar que, às vezes, é desviada (dinheiro) em corrupção.
Se as famílias não tinham segurança (qualidade) educacional pública, surgiu a montante outra insegurança, os traficantes de drogas nas escolas. Enfim, temos razão para estar muito aterrorizados,  outros tantos sem esperança de melhora a curto prazo. O governo e congresso estão acuados com tantas acusações e indícios de crimes, que nada mais fazem do que se defender. Não vimos nenhuma autoridade do governo vir a pública, trazer algum grande projeto. Apenas desculpas e desqualificação de mais e mais acusações, das investigações de Policia Federal e Ministério Público. A cada dia um escândalo , um terremoto de indícios e evidências da participação de quem esteve e está no comando dessa grande Nau chamada Brasil; que de abalo em abalo se encontra adernando prestes a mergulhar em pélagos mais profundos. Ufa!  O que será de nós ?
Resta-nos então o judiciário, que por enquanto e oxalá que sempre, nos traga algum amparo, mais segurança e decisões justas com todos aqueles mandatários que nos colocaram nessa tempestade e procela de ondas pavorosas e ameaçadoras em toda a nação. Onde será que vai parar todo esse furacão  ?   Mar./2016.  


João Joaquim - médico - articulista DM - www.drjoaojoaquim.com  joaojoaquim@drjoaojoaquim.com

RATOS E CORRUPTOS....

  JUSTIÇA E GATOS  À CAÇA DE  CORRUPTOS E RATOS
  João Joaquim  



Hoje, assistindo às cenas políticas do Brasil me volto à minha infância. Não que meu período de criança tivesse cenas políticas que pudesse ver, eu mal ouvia rádio. Nossos políticos de agora é que me remetem aos albores de minha vida. E vamos pontuar porque. Todos estamos acompanhando capítulo por capítulo, a uma novela que parece sem fim, ao curso dos maiores esquemas de corrupção do Brasil e do mundo. Basta lembrar os medonhos e repulsivos episódios do mensalão e petrolão. Isto para ficar nos mais recentes.  Um  escândalo, de roldão, vai apagando o outro. Passa-se alguns meses e o país entra em amnésia dos fatos passados (desculpe a redundância).
Vejam exemplos de amnésia coletiva. Alguém se lembra ou comenta  a construção do porto de Mariel para a ditadura cubana pelo governo do PT?  Lembram do perdão de dívidas que Lula fez a algumas ditaduras africanas? Dos escândalos na construção da refinaria Abreu e Lima , em Pernambuco  ? Da corrupção que correu ,à discrição de enxurros,   na construção dos estádios e arenas para a copa FIFA-BRASIL 2014? Este  fenômeno do esquecimento faz parte de nossa índole e até do funcionamento das instituições públicas. Quer instituição  mais desmemoriada, retardada e esquecida do que o próprio judiciário? E assim, nesse remanso e mar de esquecimentos, de amnésias, de frouxidão com as coisas não privadas,  é que nadam nossos iníquos e corruptos gestores e dirigentes públicos.
 Ora, por que os agentes públicos de hoje, nossos homens da política me lembram a minha infância? O embate que se dá no Brasil de hoje (mensalão e petrolão) entre o Estado legal , o poder  oficial,  e o estado criminoso ( esquemas de corrupção) dentro das próprias  instituições públicas e privadas mais parece uma briga de gato e rato. Os gatos aqui de nossas cenas políticas e urbanas são todos os atores da lei. Ministério Público, polícia federal, juízes independentes etc.
E os ratos? Todos os ladrões, ladravazes e corruptos, travestidos de representantes do povo e se passando por  servidores do povo e da nação.
De quando menino e adolescente, lembram-me cenas onde fui criado, interior mineiro. Havia muitos ratos, roedores mesmo, aqueles bichos pestilentos de esgoto quem transmitem doenças ( ex leptospirose). Meu pai para combatê-los tinha gatos que os caçavam. Muitos deles( os ratos) se infiltravam debaixo das espigas de milho dos silos (paióis). Ou  então subiam para a cumeeira das construções. Não havia gato que os pegasse.
Outro expediente que se adotava era o emprego de ratoeiras. Os primeiros caiam na armadilha e eram exterminados. Mas, os que viam a cena aprendiam e nunca se aventuravam a beliscar as iscas de queijo no interior das armadilhas. Puro jogo de gato e rato.
Agora, tornemos para nossas cenas políticas. Imaginemos um governante, um presidente, um ministro, um parlamentar qualquer. Basta que ele seja dado ao embuste, ao roubo, ao furto, aos ilícitos, às mentiras ; e seus intentos serão alcançados, em todas as chances propícias. E aqui com uma assertiva das mais pertinentes. Esse corrupto e ladrão das coisas do Estado, não se faz ladrão pela oportunidade que tem. Ele já nasceu ladrão e cria as condições e meios para o seu fim que é roubar descaradamente. E o faz em conluio e em comunhão com os membros de sua camarilha, ou quadrilha como a nomina  a Justiça. Pergunta-se : alguém imagina que algum corrupto será pego em quebra de sigilo fiscal, bancário ou telefônico ou de e-mail? Ele guardará os tesouros roubados em paraísos fiscais, em nome de laranjas, de familiares, em espécie num cofre secreto, etc.
 Por que desta afirmação? Simples dedução. Estando este agente público dentro do Estado Legal, ele detem todos os meios de como escapar de eventuais futuras investigações. Ele conhece os expedientes e meios investigatórias de Ministério Público, de polícia federal, de órgãos judiciários. Por conseguinte, esse corrupto, travestido de servidor público e da nação, a exemplo do rato não cairá em armadilhas de polícias e Ministério Público de forma tão fácil. Por isso que as provas contra esses gatunos da nação se tornam quase inalcançáveis pela Justiça.
O que resta nesses casos seria o princípio de não haver crime perfeito e sobrar  algum cochilo do rato ou ladrão das coisas públicas. E a partir desse descuido então se pegar tal larápio, embusteiro e mentiroso.
Outra esperança de se pegar tais criminosos de terno e colarinho branco é o instituto da delação premiada que vem sendo empregado  pela Justiça. E o faz muito bem. Aqui poderia até se aplicar o princípio: ladrão que delata ladrão, merece um bom perdão.
Como se vê a semelhança entre ratos, corruptos e ratoeira é muito grande. Se um x(xis) ou y(ipsilon) de um problema, de uma investigação   já se torna um incógnita complicada, agora  imagine essa incógnita multiplicada por três  para a justiça.  Haja  lupa, luneta, bons detetives, bons gatos( Polícia e Justiça)  e matemática para tanto enigma. Ufa!                 março /2016    



João Joaquim - médico - articulista DM   Goiania  Go             www.drjoaojoaquim.com  joaojoaquim@drjoaojoaquim.com

ANARQUISTAS E GOLPE MILITAR

MILITÂNCIA COMUNISTA NA INCITAÇÃO AOS  GOLPES DE ESTADO

João Joaquim  


O homem por uma inclinação inata é um animal político. O sujeito se dizer apolítico soa  não verídico   porque se ele é um ser pensante, normal, e tem discernimento do que faz e deve ser feito ele está praticando política. Ser político não significa ser filiado ou engajado com esse partido  e outra ideologia, é bem diferente.
Essa era uma concepção do grego Aristóteles. Quando eu falo  de política, de imediato,  lembro-me de outro grande pensador, Platão. Isto por causa de sua magnífica obra A República. Se tivesse que definir qual o regime político ideal eu não hesitaria eu tascar: aquele que tivesse as diretrizes do que recomenda essa grande obra, A República. Ali encontram-se os preceitos de excelência no que se refere ao modo ou sistema de governo de qualquer nação.
Impelido pelos dias convulsos em que vivemos eu pus-me a algumas reflexões relativas à política e aos sistemas de governo. E assim fazendo eu estou praticando política.
Vamos partir da seguinte premissa, todos queremos a paz. Vamos pensar em nosso país, com um regime republicano e democrático. O povo brasileiro, por índole e cultura, é um povo pacifico e ordeiro .  Quais características tem esse governo? Ele é composto de três poderes; o executivo que é o governo central, o legislativo bicameral com senado e câmara dos deputados, e o judiciário com todo o seu organograma de juizados especiais federais (1º instância) , o superior tribunal de justiça (2º instância) e o supremo tribunal federal (3º instância ou corte suprema).
Além desses três poderes, existem várias outras instituições e órgãos que compõem o aparelho de Estado.
Quais têm sido nossas marcas e conquistas como democracia? A liberdade de livre locomoção, a de expressão e opinião, a de imprensa, a de opção religiosa e sexual, etc. Claro que no atual período democrático existiu algum governante que quis impor regras à imprensa; em limitar o direito de opinião de partido adversário etc. Outras duas anomalias de nosso regime é a tal obrigatoriedade de comparecer às sessões eleitorais em datas de eleições e a tal incompreensível imunidade parlamentar e política de que gozam muitos membros do governo e das casas legislativas.
No concernente às forças armadas:  Exército, Marinha e Aeronáutica. Elas são instituições permanentes, cuja principal função é a garantia de segurança,  da integridade física e territorial da nação, de nossa soberania. E elas sempre se houve muito bem nessas principais atribuições. Não se esquecendo o genocídio de que ela participou que foi a guerra do Paraguai. Mas, enfim são fatos terríveis enterrados nos recônditos de nossa História. Que foi triste foi!
Como se caracterizam as instituições militares? Noutros termos para melhor contexto: como se dá a ética, ou como se fazem ou sucedem as normas de conduta da função militar? Em objetivas linhas seriam:  ordem, hierarquia, disciplina, patriotismo e honestidade.
Já quadrando e arredondando minhas reflexões. Como se estabelecem ou se implantam os chamados regimes militares pelos golpes de Estado? Se torna de uma conclusão acaciana ou franciscana;  eles surgem por exemplo diante das conflagrações políticas, das convulsões ideológicas e de desgoverno como as que vivemos em nosso país, com as denúncias( Ministério Público Federal , Polícia Federal)   de tanto escândalo, corrupção e crimes de responsabilidade perpetrados pelos nossos atuais mandatários
A solução de uma intervenção militar em muitas nações se estabelece como um mal menor. Diante do apodrecimento das relações daqueles que nos governam com crimes organizados, do risco do esgarçamento das instituições públicas, talvez não  haja  outro caminho como a tomada de poder e de governo pelas forças armadas. Uma das causas de golpes militares se dá, não pela ameaça que vem  de fora,  mas  por esses inimigos internos, de compatriotas traidores. O que soa muito mais melancólico, de compatriotas sem nenhum patriotismo e amor pela pátria . Quão triste imaginar fatos como esses.  
É oportuno imaginar o que devem estar pensando os comandos de nossas forças armadas diante do estado de ânimo em que se encontram os grupos pró e contra o desgoverno que se estabeleceu em nosso país.
Falam muito mal de nossa ditadura recente(1964-1985). É bom lembrar que se não fossem os militares, talvez os comunistas e guerrilheiros daquela época tivessem nos transformados em  uma grande Cuba. Os presidentes daquele mal afamado regime( militares) morreram todos pobres, não tiveram nenhum filho milionário e nenhum deles teve qualquer indício de corrupção. Eu penso e tenho a concepção que a pior das democracias ainda é preferível à mais branda das ditaduras. O que temos é que buscar uma solução constitucional , legal e democrática para o pandemônio e balbúrdia em que se tornou o cenário econômico e político do momento.  Eu espero e acredito numa solução pacífica, até porque temos instituições e um judiciário ainda acreditável.   Março/2016. 


João Joaquim médico articulista DM           www.drjoaojoaquim.com  joaojoaquim@drjoaojoaquim.com

DEPRIMA-SE DE GRAÇA....

         MÚSICA E DEPRESSÃO
João Joaquim  


A medicina , uma profissão fundada em vários braços científicos, e com todos os avanços, pesquisas e ensaios clínicos, está aí a serviço da melhoria de nossa saúde, de combate a todas as doenças preveníveis e curáveis, de promover a qualidade de vida e com tudo isto em foco , uma longevidade mais saudável. E as pessoas longevas e saudáveis têm sido cada vez mais numerosas. Não demorará muito ,e ser um Oscar Niemeyer, não será surpresa. O famoso arquiteto faleceu com quase 104 anos. Detalhe importante, era fumante e morreu altamente produtivo. Talvez foi o trabalho um dos seus segredos de romper um século e de bem com a vida. Advertência importante: o tabagismo diminui expectativa e qualidade de vida.
Com esta prévia não tão  breve, contudo, não venho de falar de expectativa de vida, mas de saúde mental. Mais seletivamente de depressão. Hoje se sabe ser uma doença de alta prevalência, a que todos, em algum grau estão sujeitos, ao menos de forma secundária (isto é, não endógena ) em alguma fase de suas vidas.
A título de melhor compreensão: se o indivíduo sofre um imprevisto qualquer, perda de amigo, um parente querido, um prejuízo etc; essa pessoa terá uma depressão secundária e  temporária. Se alguém tem uma depressão sem nenhuma causa aparente identificável, diz-se então que ela padece de uma depressão primária ou endógena. Talvez aqui possa existir uma deficiência de alguns neuro-hormônios (dopamina e serotonina por exemplo).
Não é sem razão que muitos medicamentos antidepressivos   atuam no cérebro aumentando a taxa (concentração) desses neurotransmissores, que a indústria farmacêutica chama de substâncias do prazer e da felicidade. Termo inadequado dos laboratórios porque prazer e felicidade se fazem com um estilo de vida mais saudável , pautado por posturas positivas e construtivas as mais diversas. 
Já mediando o tema, trago à baila resumo de uma pesquisa de psicologia e psiquiatria sobre três fatores estreitamente ligados aos transtornos depressivos( tristeza e angústia). São eles a cor (ou as cores), a luz e a música. No concernente as cores, todas aquelas tonalidades  escuras, muito encarnadas têm uma tendência reforçadora dos sintomas depressivos como tristeza, mau humor e apatia. As cores por exemplo azul, branca, vermelha e verde trazem sempre uma sensação e visual de alegria, prazer e vida.
Em relação a luz, todo ambiente bem iluminado traz também um sentimento de pureza, paz , beleza e harmonia. Estas evidências e nexo causal entre luz e manifestação depressiva podem ser constatadas com os períodos diurnos e noturnos. A doença tende a se agravar mais à noite. Em regiões onde os dias são menos ensolarados, nublados e chuvosos têm sido constatados mais casos de depressão;  os sintomas são mais insidiosos, crônicos; com respostas menos favoráveis às terapias psíquicas  e medicamentosas.
A música  é outro fator que vem sendo estudado pela sua estreita relação com a saúde mental, emocional e mesmo orgânica das pessoas. Em grandes centros a música já vem sendo empregada como terapia psicoemocional em muitas formas de doença, como as cardiovasculares, oncológicas e psiquiátricas.
Como explanações finais o que se pode tirar de prático dessas pesquisas recentes é que podemos trazer tais resultados para nossas vidas diárias, para nossas horas e momentos de lazer, entretenimento e na contemplação e assistência de um espetáculo, um show, uma sessão de teatro, na apresentação de um e outro artista, de um estilo musical, etc.
Fica bem plausível e convincente que as cores mais claras associadas a um ambiente bem iluminado nos passarão sempre a ideia e símbolos de felicidade, energia positiva e vida.
De igual modo a conexão que podemos fazer entre tristeza ou depressão com os estilos musicais.
 Realço um exemplo encontradiço no dia a dia das pessoas que ouvem rádios, FM, MP3 ou mesmo o show de um cantor. Imagine uma música sertaneja ou um gênero semelhante , cuja letra fale de adultério, de traição, de paixões mal resolvidas! Me alembro de nosso amor /Naquela saudosa mansão/Hoje não seguro tanta Dor /De tristeza e mais depressão . E  os refrões e melodias rolando …..

 Se o ouvinte já tem depressão, sua crise de angústia vai piorar; se o expectador e ouvinte não tinha sintomas de tristeza e depressão ele sairá bastante encaminhado para um quadro de muito abatimento psíquico e emocional, e talvez precisará tomar alguns antidepressivos ou buscar ajuda de um psiquiatra .
Então fica o conselho, se tem depressão procure combinar bem cores, luzes e estilos musicais, porque os perigos de adquirir um transtorno depressivo ou agravamento de um já existente são iminentes e reais.  Março/2016.  
   

João Joaquim médico articulista DM    www.drjoaojoaquim.com  joaojoaquim@drjoaojoaquim.com

ABORTOS A ESPERA

O GEMIDO DOS EMBRIÕES CONGELADOS

João Joaquim 

A Medicina é uma profissão que busca o apoio e as bases de muitos ramos científicos para o seu mais ético e humano funcionamento. São exemplos no seu constante aprimoramento a química (na síntese de medicamentos), a física (na execução de terapias e diagnósticos)  e a biologia (fisiologia, citologia, genética, fenômenos de reprodução etc).
Neste artigo busco falar especificamente sobre a reprodução humana. Trata-se de um ramo da Medicina que evoluiu muito. As expressões fertilização “ in vivo ou in vitro” se tornaram até de domínio popular, tais as notícias veiculadas sobre tais práticas em clínicas de ginecologia e obstetrícia.
Antes de falar estritamente em humanos, faço um adendo. Na biologia animal e veterinária por exemplo os avanços chegaram ao estágio de clonagem e sexagem (escolher o sexo das crias). A reprodução induzida (“in vivo ou in vitro”) já vem sendo largamente praticada com vistas à geração de animais como matrizes, reprodutores e ao consumo como alimentos ( produção de  ovos e carnes de suínos e  bovinos).
 O instinto materno, muito mais do que o paterno, é um sentimento dos mais nobres. Ele deve estar presente em todas as mulheres, salvo um e outro caso fora dessa inclinação natural . Antes do advento da especialidade e das clínicas de reprodução humana o que sucedia com os casais inférteis ou estéreis? Três opções: a) aceitar a condição sem filhos, b) filhos adotivos, c) cuidar (ajudar) na criação e educação de sobrinhos ( se tornar tios e tias).
Vieram as clínicas de fertilização. E elas vêm se proliferando. Tornou-se um mercado rentável e próspero;  todavia,  com elas surgiram as questões colaterais. Algumas boas, outras ruins e péssimas. As notícias boas é que casais antes inférteis podem contar com esses serviços para o sonho de ter filhos. O lado ruim desses avanços da Medicina é que quase todas as clínicas são privadas e tudo muito caro. Existem poucas opções pelo SUS e nos hospitais-escolas das faculdades de Medicina.
Uma segunda questão digna de menção se refere à opção de muitas mulheres em adiar o sonho (plano) da maternidade. Todos havemos de lembrar que o risco de infertilidade e síndromes genéticas (ex Down) aumenta com a idade da mãe. Ou seja , mães inférteis mais velhas que buscam fertilização assistida, vão ter mais ônus monetário, porque a indução da gravidez é mais complexa,  e mais riscos de malformações fetais.
Uma terceira questão, talvez pouco lembrada de quem procura ter gestação induzida (“artificial, forçada, in vitro, de laboratório” ;  vários termos) envolve questões bioéticas graves, gravíssimas. Para tanto basta lembrar o que é feito e como é feito para uma mulher infértil engravidar. Basta enumerar os casos mais comuns. Situação 1. Vai-se estimular a produção da ovulação. Pode-se engravidar com feto único  ou gêmeos. Quanto mais gêmeos, mais riscos para mãe e filhos, são as gravidezes de alto risco. Todos os bebês , quase sem exceção, serão prematuros, o que gera mais ônus pelos custos de assistência neonatal.
Situação 2. A mulher não ovula, apesar de todas as técnicas de estimulação. Mas ela tem ovários e óvulos normais. Neste caso então entra a fecundação “in-vitro”. Vão ser obtidos vários embriões. Alguns vão ser implantados no útero da mulher. Como de todos sabido, muitas dessas gestações vão ser gemelares(2, 3, 4 fetos). As questões menos graves aqui são as de todas as gravidezes de gêmeos:  prematuridade, algum natimorto, complicações maternas , pré-eclâmpsia , diabetes, hipertensão , etc.
As questões bioéticas gravíssimas que se revelam em autênticas monstruosidades no sentido ético, humano e religioso se referem aos embriões que sobram dessas práticas.   
Há hoje pelo Brasil e pelo mundo milhares desses embriões que “sobram”, das fertilizações  in vitro,  e estão congelados nessas clínicas de reprodução.
Os comitês de bioética, os conselhos de medicina, as entidades de direitos humanos não sabem o que fazer com esses embriões humanos. E todos tem um RG(pai e mãe ) e um genoma do casal  que se deu a esses expedientes. E esses casais sabem, porque todos assinam um documento intitulado “ Consentimento Informado”; ou seja, além dos médicos que fazem as chamadas gravidezes induzidas, a mãe e o pai são muito bem orientados sobre os desdobramentos dos procedimentos e a guarda (não pode descartar) dos embriões. Reprisa-se esse ponto porque se revela um questão bioética gravíssima com as quais os conselhos de Medicina ,entidades de Direitos Humanos e religiosas se deparam. O que será feito com tantos embriões humanos “congelados”?  Eles se transformaram no maior enigma ético e humanitário para os seus genitores( pais desses seres congelados) e autoridades legais e de saúde. Parece uma pergunta que soa  como  normal. Mas não é . Essa interrogação emblemática e enigmática das mais graves não pode se calar na consciência de quem permite essas práticas que são  os casais e médicos praticantes. O que será feito dos embriões que sobram das fertilizações ou gravidezes  artificiais ?  Março / 2016


João Joaquim - médico - articulista DM - www.drjoaojoaquim.com  joaojoaquim@drjoaojoaquim.com

PRAÇAS DE...

AS  PRAÇAS   DE CAMINHADAS SÃO DO POVO
João Joaquim 


Se tem um espaço onde se pode conhecer melhor a alma e o coração das pessoas esse lugar se chama passeio público de caminhadas. São as praças, os parques naturais, que muitos também os nominam de pistas de Cooper, homenagem ao fisiologista e idealizador americano  Dr. Kenneth Cooper.
Quando saio às minhas corridas matinais, às vezes corro, mas sem pressa. Primeiro faço os 7 minutos de alongamentos. Dois minutos de pernas, dois de braços, dois de abdômen e um de pescoço (coluna cervical). Falo de sete minutos porque sete é um número cabalístico e simbólico. Poderia ser uns 10 , 15 minutos, depende do gosto de cada um . Afinal em 7 dias fez Deus o mundo, 7 são os dias da semana, como o são também as cores irisadas do arco-íris.
Quando falo e prescrevo exercícios para amigos e pacientes procuro ser bem flexível. Digo sempre: façam os exercícios que melhor lhes aprouver e convier.  Os gostos, cores e exercício são de livre escolha. Tem gente que prefere os ambientes confinados de academias , há  outros que gostam de esportes, outros tantos de se exercitar pelos ares da vida; e tem aqueles que não gostam de nada. E tem até aquela classe mais casquilha e exigente que contrata um treinador pessoal (os tão badalados personal trainers).
Uma outra pergunta frequente quando de uma consulta e exame para atividades físicas se refere às normas ou atitudes de segurança para os iniciantes em qualquer tipo de exercício. A melhor orientação que faço é aquela de se auto-avaliar durante essas práticas. No geral comece com pelo menos 30 minutos 4 vezes por semana. O ritmo de se caminhar, trotar ou correr dependerá da boa tolerância e sustentação dessa velocidade. O próprio organismo através da respiração e fadiga muscular irá ditar se estamos exagerando ou não  no esforço muscular global.
 O importante é ao final de cada sessão dessas atividades a pessoa se sentir melhor do que cada começo. A melhor regra e segurança de qualquer exercício é ouvir as limitações orgânicas e fisiológicas individuais. Esqueça aquelas tabelas de frequência cárdica máxima e submáxima, de portar os frequencímetros e outras quinquilharias . São pingentes eletrônicos que mais atrapalham do que ajudam. Todavia, assevero em um ponto, nunca inicie uma atividade física sem um exame com um cardiologista. No mínimo uma consulta e teste ergométrico cardiológico.
 O único órgão que coloca qualquer  pessoa durante o exercício em risco é o coração. Este risco existe, não é desprezível, e só como alerta: as alterações cardíacas  congênitas não têm sintomas, e quando surgem são fatais. Quase sem exceção são mortes súbitas.  Raramente se morre de outra causa, aneurisma cerebral por exemplo.
Tomando a ideia inicial da beleza da alma e do coração das pessoas quando nas movimentações ao ar livre. Na verdade esses cenários  encerram em autênticos teatros da vida. São espaços onde cada um se sente  em seu proscênio.
E nessas alegres e salutares jornadas diárias me divirto muito com os variados estilos, com os tipos anônimos de corredores, caminhantes; enfim os transeuntes do nosso mundo. Existe  aquele no meu exemplo que tem uma periodicidade diária, tem aqueles que  vão 3 ou 4 vezes por semana e os que o fazem só em finais de semana ou eventualmente. Tem, acredite, até  aquele devoto que faz caminhada uma vez por ano, ele vai à festa do Divino Pai Eterno em Trindade GO. Esse merece um ingresso ao céu. Quanta devoção!
Os penduricalhos são os de todos; um celular à mão ou no bolso, mp3 nos ouvidos e um adorno , roupas e tênis  ou  algum adereço  fora de contexto.  Há os que levam suas garrafas de água. Os recipientes, às vezes, vão e voltam cheios, mas o que importa é que vão e voltam .
Um tipo especial de caminhante me deleita os olhos. São os donos de pets. Uns puxam os seus bichos, outros são puxados por eles. Há aqueles que se quer preocupam com os excrementos dos melhores amigos;  os que jogam lixos fora do lixo; e há aqueles que mesmo não tendo lixo, jogam os lixos dos outros nos coletores de lixo. Quão exemplares.
Outros tipos ou biotipos que me causam admiração são os de  alguma notável proeminência corporal. Mesmo sendo esses portadores de  excedentes ponderais personagens    preeminentes , intermitentes ou renitentes.  Passam-se dois, cinco anos e as circunferências de tronco e abdome são as mesmas. Nos casos aqui, está comprovado por um excesso de atividade de musculatura orofacial. São os praticantes de halterofilismo bucomaxilofacial ( jargão médico) .  
Eh! O certo é que as praças de atividade física e caminhadas são mesmo uma festa. Quanta alegria. Quanto de bom se vê da alma e do  coração em nossos parques , passeios públicos e pistas de caminhadas. Esses cenários são de fato e de direito as autênticas ágoras( como na Grécia Antiga) , onde todos se expressam e se encenam na mais absoluta e plena liberdade.    Março/2016.


João Joaquim - médico - articulista DM www.drjoaojoaquim.com  joaojoaquim@drjoaojoaquim.com